Apologética – Notícias – Mundo Cristão – Sociedade

Arquivo para janeiro, 2009

A Maldição do Cristo Genérico 2

Cristo Genérico

Graça e Paz

Já havia escrito algo sobre esse tema, mas achei um post no blog Púlpito Cristão que adiciona mais informações.

Para ver o posto clique aqui.

Cordel da Apostasia

RepentistaGraça e Paz

Cordel publicado nos comentários de um post no PavaBlog. Para acessar o post visite https://www.blogger.com/comment.g?blogID=26395331&postID=180660405610079118&pli=1

Uma coisa bem marcante
Na nova teologia
É que o dinheiro é que manda
Parece as Casas Bahia.
Sobra pastor interesseiro
Que topa tudo por dinheiro.
Até fazer baixaria.

E por falar em pastor
Essa palavra é pequena
Eles querem é ser apóstolos
Ser pastor não vale a pena
Querem patriarcas entre os seus
Arcanjo ou vice-Deus
Pra renda não ser pequena.

Mas uma coisa me alegra
Ao ver tanta aberração
É que Jesus avisou
Não é novidade, não.
Mateus capítulos sete
Aonde Jesus arremete
à chegada dos fi do cão.

Esse outro evangelho
É bem visto por ai
Chamam de nova unção
Facinho de engolir.
Vem com tanto “marketismo”
Que até o catolicismo
Tá começando a aderir.

Tem unção da risadeira
Da língua dos animais
Unção pra andar de quatro
Pra amarrar satanás.
Unção pra virar pastor
E curar sem ser doutor
Quaisquer doenças fatais.

Unção é palavra fácil
Na língua desse povão
Muita gente se pergunta
Qual a significação.
Como muito já falei
A única coisa que eu sei
É que unção e outros não são.

Exorcismo do Vil Metal

Teologia da ProsperidadeGraça e Paz

Li dia desses a seguinte anedota, que aqui resumo:

Um prefeito faz uma licitação para uma obra na cidade.

Um empreiteiro japonês cobra 3 milhões (1 milhão pelo material, 1 milhão pela mão de obra e 1 milhão dele).

Um empreiteiro americano cobra 6 milhões (2 milhões pelo material, 2 milhões pela mão de obra e 2 milhões dele) e garante a qualidade da obra.

Um empreiteiro brasileiro cobra 9 milhões (3 milhões para ele, 3 milhões para o prefeito e 3 milhões para o japonês fazer a obra).

O que isso tem a ver com exorcismo??

Bom, podemos “imaginar” um exorcismo do vil metal em algumas igrejas e congressos por esse Brasil.

Um pastor pede para os irmãos ofertarem (a oferta é pra obra de Deus).

Um pastor pede para os irmãos ofertarem e dizimarem (a oferta é para a obra de Deus e o dízimo para o crente ser abençoado).

Um pastor pede para os irmãos fazerem a oferta de sacríficio, dando “tudo” o que tem (pode ser em cheque pré, cartão de crédito, terrenos, etc). Essa oferta é para ele poder “ir a Israel (e Egito) e queimar os pedidos de oração em cima do monte Sinai (Egito) ou das Oliveiras (Israel), assim Deus se lembrará da “oferta de sacrifício” e abençoará os crentes.

Piada??

Não. Eu mesmo já presenciei estupefado a várias cenas dessas, cada uma delas com truques persuasivos dos “exorcistas”.

E aí? Que tal financiar uma viagem a Israel para esses pastores? De preferência com City Tour na faixa de Gaza.

Maranata!

Soli Deo Glória

Aprenda a Sofrer

LAGRIMASGraça e Paz

“Amigo, entre de cabeça na sua dor. Aceite que é ruim. Não tente disfarçar.Desocupe a mente e viva o seu sofrimento. Evite o bar. Fuja dos conselheiros. Soluce, choromingue, ruja, mas não armazene agonia.

Amigo, esperneie, grite, teatralize, mas não continue a engolir seco. Converse com as estrelas, contemple os precipicios. Afunde-se em fossas. Rememore seus momentos tristes. Não limpe as lágrimas. Jejue, rasgue véus. Deixe a barba por fazer.

Amigo, corra até a exaustão, enfrente a sua mágoa. Tranque-se para encarar o seu fracasso. Recolha-se para abraçar a sua derrota. Volte o rosto contra a parede. Ajoelhe-se. Vista-se de saco e se sente sobre um monte de cinza. Raspe a cabeça. Descalce os pés. Contrate um taxi, por duas horas vagueie à deriva. Desassossegue com sonetos. Escute fado.

Amigo, repita silenciosamente: “Cordeiro de Deus, que sofreste na cruz, tem misericórdia de mim”. Caminhe cabisbaixo, ria pouco. Entre numa catedral vazia e ouça o silêncio. Considere a sina de quem nunca viu a luz. Visite uma escola para crianças com síndrome de Down. Ajude os AA’s. Doe para a clínica que reabilita toxicômanos.

Amigo, Deus desceu do céu, tabernaculou entre os homens, e sofreu como você. Ele teve um filho sem pecado, mas nenhum sem sofrimento. Deus consola. Ele sabe o que é ficar sem chão. Soletre esperança como obstinação e fé como coragem. Trinque os dentes e prossiga.

Soli Deus Gloria”

Texto de Ricardo Gondim via Liberdade Pela Graça;

O Que Estão Fazendo Com a Igreja – O Livro

Oqueestaofazendocomaigreja

Graça e Paz

Acabei de ler o livro “Evangélicos em Crise” do Dr. Paulo Romeiro. Leitura esclarecedora e atualíssima, e também obrigatória para quem define-se como apologeta, muito importante para analisar os movimentos controvertidos que permeiam a igreja nesses dias de pós-modernidade.

Começarei a leitura do livro “O Que Estão Fazendo Com a Igreja” do Dr. Augustus Nicodemos. Esse livro segue a mesma linha e é um apanhado de vários posts no blog O Tempora O Mores (Que Tempos os Nossos! E Que Costumes [Cícero]) em conjunto com os pastores Solano Portela e Mauro Meister.

Descobri este blog há pouco tempo, mas ele cativou-me pelo compromisso dos autores com a ortodoxia e a saúde da igreja.

Diz-se que uma imagem vale por mil palavras. A imagem da capa já nos dá uma noção do que encontraremos em suas páginas, mas os textos com certeza serão muito mais preciosos e esclarecedores.

Em breve publicarei alguns comentários sobre esta obra muito importante em nosso dias.

Maranata!

Soli Deo Glória.

Igreja: Abuso Espiritual

grande ditador

Graça e Paz

Reproduzo aqui o texto “7 Características de Igrejas Que Cometem Abuso Espiritual”, postado no blog do Sérgio Pavarine (PavaBlog), blog que freqüento e recomendo.

Eis aí as características e como sempre, qualquer coincidência é mera semelhança:

1) Scripture Twisting (Distorção da Escritura): para defender os abusos usam de doutrinas do tipo "cobertura espiritual", distorcem o sentido bíblico da autoridade e submissão, etc. Encontram justificativas para qualquer coisa. Estes grupos geralmente são fundamentalistas e superficiais em seu conhecimento bíblico. O que o líder ensina é aceito sem muito questionamento e nem é verificado nas Escrituras se as coisas são mesmo assim, ao contrario do bom exemplo dos bereanos que examinavam tudo o que Paulo lhes dizia.

2) Autocratic Leadership (liderança autocrática): discordar do líder é discordar de Deus. É pregado que devemos obedecer ao ditador, digo discipulador, mesmo que este esteja errado. Um dos "bispos" de uma igreja diz que se jogaria na frente de um trem caso o "apóstolo" ordenasse, pois Deus faria um milagre para salvá-lo ou a hora dele tinha chegado. A hierarquia é em forma de pirâmide (às vezes citam o salmo 133 como base), e geralmente bastante rígida. Em muitos casos não é permitido chamar alguém com cargo importante pelo nome, (seria uma desonra) mas sim pelo cargo que ocupa, como por exemplo, "pastor Fulano", "bispo X", "apostolo Y", etc. Alguns afirmam crer em "teocracia" e se inspiram nos líderes do Antigo Testamento. Dizem que democracia é do demônio, até no nome.

3) Isolationism (Isolacionismo): o grupo possui um sentimento de superioridade. Acredita que possui a melhor revelação de Deus, a melhor visão, a melhor estratégia. Eu percebi que a relação com outros ministérios se da com o objetivo de divulgar a marca (nome da denominação), para levar avivamento para os outros ou para arranjar publico para eventos. O relacionamento com outros ministérios é desencorajado quando não proibido. Em alguns grupos no louvor são tocadas apenas músicas do próprio ministério.

4) Spiritual Elitism (Elitismo espiritual): é passada a idéia de que quanto maior o nível que uma pessoa se encontra na hierarquia da denominação, mais esta pessoa é espiritual, tem maior intimidade com Deus, conhece mais a Bíblia, e até que possui mais poder espiritual (unção). Isso leva à busca por cargos. Quem esta em maior nível pode mandar nos que estão abaixo. Em algumas igrejas o número de discípulos ou de células é indicativo de espiritualidade. Em algumas igrejas existem camisetas para diferenciar aqueles que são discípulos do pastor. Quanto maior o serviço demonstrado à denominação, ou quanto maior a bajulação, mais rápida é a subida na hierarquia.

5) Regimentation of Life (controle da vida): quando os líderes, especialmente em grupos com discipulado, se metem em áreas particulares da vida das pessoas. Controlam com quem podem namorar, se podem ou não ir para a praia, se devem ou não se mudar, roupas que podem vestir, etc. É controlada inclusive a presença nos cultos. Faltar em algum evento pro motivos profissionais ou familiares é um pecado grave. Um pastor, discípulo direto do líder de uma denominação, chegou a oferecer atestados médicos falsos para que as pessoas pudessem participar de um evento, e meu amigo perdeu o emprego por discordar dessa imoralidade.

6) Disallowance of Dissent (rejeição de discordâncias): não existe espaço para o debate teológico. A interpretação seguida é a dos lideres. É praticamente a doutrina da infalibilidade papal. Qualquer critica é sinônimo de rebeldia, insubmissão, etc. Este é considerado um dos pecados mais graves. Outros pecados morais não recebem tal tratamento. Eu mesmo precisei ouvir xingamentos por mais de duas horas por discordar de posicionamentos políticos da denominação na qual congregava. Quem pensa diferente é convidado a se retirar. As denominações publicam as posições oficiais, que são consideradas, obviamente, as mais fiéis ao original. Os dogmas são sagrados.

7) Traumatic Departure (saída traumática): quem se desliga de um grupo destes geralmente sofre com acusações de rebeldia, de falta de visão, egoísmo, preguiça, comodismo, etc. Os que permanecem no grupo são instruídos a evitar influências dos rebeldes, que são desmoralizados. Os desligamentos são tratados como uma limpeza que Deus fez, para provar quem é fiel ao sistema. Não compreendem como alguém pode decidir se desligar de algo que consideram ser visão de Deus. Assim, se desligar de um grupo destes é equivalente a se rebelar contra o chamado de Deus. Muitas vezes relacionamentos são cortados e até famílias são prejudicadas apenas pelo fato de alguém não querer mais fazer parte do mesmo grupo ditatorial.

Maranata !

Soli Deo Glória.

Igreja : A Dispensação do Campo de Batalha

CruzadaGraça e Paz

Recentemente li um artigo de Dom Robinson Cavalcanti, bispo anglicano, cujo tema era “As 3 dispensações da igreja: Oásis, Deserto e Campo de Batalha”.

Muito oportuno, o artigo falava da dispensação do Oásis, quando recém chegado à igreja, tudo era as mil maravilhas. Amor, fraternidade, amizade, companheirismo e outros. Depois dessa fase, veio a dispensação do Deserto, quando todas as mil maravilhas transformaram-se em poucas ou quase nenhuma e os amigos e simpatizantes o abandonaram.

Por último veio a dispensação do Campo de Batalha.

Faço aqui uma breve análise deste tema, com mesmo enfoque do artigo original, porém num contexto mais local.

O reverendo Caio Fábio, na provocante (e atual) mensagem intitulada “matando o evangelho para se tornar dono da vinha”, traça um panorama real sobre a nossa geração e porque não dizer de nossa igreja local. A igreja, diz outro pastor, “é o único exército que mata e abandona seus soldados”. O reverendo Caio Fábio fala nesta mensagem sobre os religiosos (ou vinhateiros) que matam os “Ebed Yahweh” (profetas, Servos do Senhor) e seriam capazes (se pudessem) de matar até o filho do dono da vinha.

Qualquer coincidência com nossos dias, ou nossa igreja, é mera semelhança.

Dom Robinson Cavalcante fala em seu artigo sobre a luta interna por poder ou entre aqueles que defendem a Ortodoxia da Palavra e aqueles que querem conduzir a igreja com toques de pós-modernidade.

Concluo que essa batalha é travada entre os Golias (religiosos) e os David’s (Ebeds Yahweh) , e as áreas dessa batalha são extensas, assim como o são as feridas deixadas após cada embate. De um lado se posiciona o time dos “Ungidos-acima-de-qualquer-crítica”, também chamados de “Sou-eu-quem-manda-aqui”, e do outro lado o time dos “Profetas-sem-honra-em-sua-própria-casa”. De um lado estão os “Esquizofrenizados” pelo poder temporal e do outro os “Ebeds Yahweh” que sofrem pelo zelo da obra do Senhor (Salmos 69:9 e 119:139).

Esses “Ebeds Yahweh” são desprezados e tornados indignos, e muitas vezes massacrados em nome do “statu quo” dos vinhateiros assassinos. Perseguidos, não encontram segurança entre seus pares. Seu único refúgio é fugir das lanças “inflamadas” dos endiabrados Sauls e se esconderem nas cavernas. E nessas cavernas eles não estão sozinhos. Lá, há a comunidade dos “profetas-fugitivos-ameaçados-de-morte”. Alguns são lançados nas cisternas cheias de lama, enquanto seus algozes “chafurdam” num outro tipo de lama, a da injustiça.

Mas Deus não falha em suas promessas. Mesmo lançados nas cisternas, alguém olha por eles e intercede diante do Rei dos reis. Deus promete em sua Palavra que:

Aquele que habita no esconderijo do Altíssimo, à sombra do Onipotente descansará. Direi do SENHOR: Ele é o meu Deus, o meu refúgio, a minha fortaleza, e nele confiarei. Porque ele te livrará do laço do passarinheiro, e da peste perniciosa. Ele te cobrirá com as suas penas, e debaixo das suas asas te confiarás; a sua verdade será o teu escudo e broquel. Não terás medo do terror de noite nem da seta que voa de dia, Nem da peste que anda na escuridão, nem da mortandade que assola ao meio-dia. Mil cairão ao teu lado, e dez mil à tua direita, mas não chegará a ti. Somente com os teus olhos contemplarás, e verás a recompensa dos ímpios. Porque tu, ó SENHOR, és o meu refúgio. No Altíssimo fizeste a tua habitação. Nenhum mal te sucederá, nem praga alguma chegará à tua tenda. Porque aos seus anjos dará ordem a teu respeito, para te guardarem em todos os teus caminhos. Eles te sustentarão nas suas mãos, para que não tropeces com o teu pé em pedra. Pisarás o leão e a cobra; calcarás aos pés o filho do leão e a serpente. Porquanto tão encarecidamente me amou, também eu o livrarei; pô-lo-ei em retiro alto, porque conheceu o meu nome. Ele me invocará, e eu lhe responderei; estarei com ele na angústia; dela o retirarei, e o glorificarei. Fartá-lo-ei com lonjura de dias, e lhe mostrarei a minha salvação. (Salmo 91).

Tanto faz se fisicamente você está na cisterna ou na caverna. Espiritualmente esteja no esconderijo do Altíssimo.

Em nossa humanidade imperfeita, tendemos a achar que Deus tarda em nos socorrer, mesmo diante de suas infalíveis promessas. Mas devemos lembrar que o tempo de Deus (Gr. aionos) não é o nosso tempo (Gr. cronos). Lembremos que Ele “tudo vê”, que Ele “não tem o culpado por inocente” e que “não há nada em oculto que não seja revelado”. A seu tempo, Deus cuidará e dará a paga aos vinhateiros assassinos.

Os “Ebeds Yahweh” que estiverem nas cisternas, nas cavernas ou até mesmo aprisionados nos troncos, precisam apenas exercer o ministério da paciência (Salmo 40), pois o Senhor promete que o “justo florescerá como a palmeira…” (Salmo 92:12-15).

Os “Ebeds Yahweh” também devem manter suas consciências cativas a Palavra de Deus. Quando Martinho Lutero defendeu sua posição na Dieta de Worms, em 1521 , diante do rei Carlos V e do cardeal Caetano, disse:

A minha consciência está cativa a Palavra de Deus, e não é certo ir contra a consciência”.

Antes desta defesa, um amigo o ouviu, onde estava hospedado, orar assim:

Ó Deus poderoso! A carne é fraca, o diabo é poderoso! Ah, meu Deus! Que estejas perto de mim contra a razão e a sabedoria do mundo. Faze-o, pois somente tu o podes fazer. Não é a minha causa, mas a tua. Que tenho eu com os grandes da terra? É a tua causa, Senhor, a justa e eterna causa. Salva-me, ó Deus fiel! Somente em ti confio! Meu Deus, não ouves? Meu Deus, estás morto? Não, tu não podes morrer; Somente te ocultas. Vem, estou pronto a entregar, como um cordeiro, a minha vida. O mundo não conseguirá prender minha consciência, ainda que esteja cheio de diabos. E, se o meu corpo tiver de ser destruído, a minha alma te pertence e estará contigo eternamente. Amém! Deus, ampara-me! Amém.

Que o Senhor não tarde em socorrer os seus “Ebeds Yahweh”.

Maranata!

Soli Deo Glória.